Algumas das  Etapas de FABRICAÇÃO                                    


“A nossa maior preocupação é para que você usuário final ou revendedor, receba sempre a melhor qualidade de  Instrumental Cirúrgico  disponível no mercado".


FORJAMENTO

O material é aquecido até 750o C lentamente para facilitar o equilíbrio térmico, a seguir eleva-se a temperatura até 1100o C e espera-se o equilíbrio, após esta operação, dá-se inicio ao forjamento. Depois o material resfria-se naturalmente para que se evite trincas, levando-se em conta a alta temperatura a que foi submetido ( AISI 420 ). Para os casos do 304L e 316 L, não há necessidade de maiores preocupações com o resfriamento, face a sua estrutura austênica. 

RECOZIMENTO:

Para que se tenha uma boa condição de usinabilidade ( AISI 420 ), o material é recozido elevando-se a sua temperatura até 840o C, equilibrando com a temperatura do forno tanto no aumento de temperatura quanto no resfriamento que é feito dentro do forno.

TÊMPERA:

Realizada em dois estágios a fim de permitir um perfeito equilíbrio térmico do material, que é de 600 a 1000o C, e a seguir resfriado em óleo circulante com refrigeração permanente, o que garante uma estrutura martensitica adequada, sem a ocorrência de precipitações de carboneto no contorno dos grãos ( AISI 420 ).

REVENIMENTO

Feito após a tempera para adequar a dureza ou o grau de flexibilidade compatível com o instrumental cirúrgico, durezas medidas conforme ABNT P-MB-359 - durezas Rockwell para aços escalas B e C. A temperatura de revenimento é de terminada pelas características mecânicas desejadas.

POLIMENTO:

Feito segundo os padrões da ASTM F.65/T ISSUCD 1.965, medidas de sobremesa comparadas a ASTM Standard - E 8 “Tension Testing of Mettalic Materials” e E-354 “Chemical Analisys of High Temperature”.


M.S.: 102.697-0
portaria No. 278 de 25 de Agosto de 1995